Você já se perguntou de quanto exercício um cachorro precisa? Assim como nós, cachorros precisam de uma boa dose de exercícios diários para se manterem saudáveis tanto física quanto psicologicamente. A quantidade de exercícios, porém, varia de acordo com peso, idade, raça e, muitas vezes, a predisposição a alguma doença.

Mas independentemente do porte ou da raça, é importante lembrar que exercícios diários amenizam comportamentos destrutivos ou algum quadro de ansiedade. Ainda que sejam feitos comedidamente, promovem um gasto de energia que libera endorfina, o hormônio da felicidade.

Como saber de quanto exercício um cachorro precisa

Quando você decide ser tutor de um pet, é importante pensar em quanto tempo você tem para se dedicar a ele. Outra coisa que você deve levar em consideração é o espaço de convívio do seu pet. Afinal, quanto maior o porte da raça, maior será a área necessária para ele se movimentar e dar vazão às suas emoções.

O que você precisa ter em mente quando se trata de quanto exercício um cachorro precisa é o seguinte:

Energia X idade

Quanto mais novo for o dog, mais acúmulo de energia ele tem. É nessa fase em que são comuns episódios em que eles ficam “loucos” correndo de um lado para o outro. Isso significa que o cão pode estar com energia acumulada. Nesses casos, é recomendável fazer várias caminhadas curtas durante o dia (além de não economizar na brincadeira!).

Raça

Na idade adulta, a necessidade de exercícios vai variar conforme a raça. Raças como labrador retriever, pastor alemão, dogo argentino, entre outras, tendem a ter bastante energia. Elas demandam maiores níveis de exercícios de seus donos, com longas caminhadas e atividades variadas. Você pode conferir o tempo e distância dos passeios recomendados para cada uma em nosso guia de raças. Consultar um veterinário para avaliar o caso específico do seu cachorro também é importante.

Saúde

Também é importante lembrar que os exercícios físicos devem levar em consideração a predisposição a problemas de saúde. Cães com tendência a ter displasia de quadril, como o dogue alemão e o mastiff, por exemplo, têm particularidades. Eles precisam ter suas atividades pensadas de modo a não se exigir muito dos músculos do quadril. Nesses casos, o focando é caminhada leve, mas com maior duração. E cães com predisposição a obesidade precisam de mais exercícios físicos em geral.

A importância do passeio

Você pode até ser dessas pessoas caseiras que adoram ficar em casa comendo pipoca e fazendo aquela maratona de séries. Mas chega uma hora que você precisa sair e ver o mundo lá fora, sentir o vento bater na sua cara, e ver a vida passar, não é? Com seu cachorro não é diferente.

O passeio é uma forma de seu cão interagir com o mundo. E como os cachorros são animais sensoriais, sair à rua significa colocá-lo em contato com um universo de cheiros e informações. Essa experiência é importante para estimular seu pet física e emocionalmente, pois os cães são muito sociais. Além disso, o contato com outros cães e raças desenvolve a socialização do seu dog e melhora a relação dele com barulhos, aprimorando sua percepção auditiva. Portanto, passear com o cachorro não é só uma atividade ao ar livre, é um momento importante para o seu cão. Invista nisso.

Além disso, nunca é demais lembrar que, ao passear com ele, é importante garantir sua segurança e das demais pessoas. Então use sempre coleiras e guias de qualidade. Principalmente se a rua onde você passeia tiver muitos carros ou outros cães e crianças.

Se não tiver tempo para passear com seu peludo, considere procurar um dog walker de confiança para fazer esse trabalho – é um investimento na qualidade de vida do seu pet.

Posso fazer atividades além do passeio com meu cão?

Se você estiver pensando em começar a fazer jogging ou andar de bicicleta com seu cão, precisa antes introduzir uma dinâmica de atividades gradualmente. Seu cão precisa de tempo para desenvolver um condicionamento físico que permita aguentar atividades mais vigorosas, principalmente se ele for sedentário.

Para fazer isso, é recomendável começar com caminhadas curtas e leves e depois ir aumentando a atividade em tempo, extensão e intensidade. Se não souber como fazer, peça orientação ao veterinário ou a um adestrador, que podem recomendar um calendário de atividades.