cachorro de grande porte dogo argentino

Embora muita gente o confunda com o pit bull por suas semelhanças com a raça, o dogo argentino tem um crânio maior e o focinho mais largo, com um maxilar forte. E mesmo que os seus olhos pequenos e a “cara de mau” expressem certa agressividade, esse cachorro é leal e amigável – pode até ser considerado tímido! – e pode ser um grande parceiro de aventuras para a família.

Origem: Argentina

Peso: 36-45 kg

Altura: 58-68 cm

Expectativa de vida: 9-15 anos

História

Raça criada em 1920 pelos irmãos Martinez, na Argentina, o dogo argentino é o resultado da miscigenação entre vários cães de caça, como boxer, pointer e mastiff. A intenção era criar um cachorro para combate e caça a animais de grande porte, como javalis e pumas.

Seu idealizador, o argentino Antonio Nores Martinez, queria criar uma raça superior, com faro apurado, mas que também fosse forte e rápida. Para isso, eles usaram como base o cão lutador de córdoba – uma antiga raça de combate com origem em Córdoba, hoje extinta – e a misturaram, além das raças acima mencionadas, com bull terriers, o lebrel irlandês, o dogue de bourdeaux e outros.

O dogo argentino é resultado de 25 anos de cruzas, até chegar à raça como conhecemos hoje. Reconhecida pela primeira vez como raça oficial em 1964 pela Federación Cinológica Argentina (FCA), o dogo argentino ainda não foi reconhecido internacionalmente pelo American Kennel Club (AKC), apesar de ter sido admitido na Miscellaneous Class – que inclui as raças que ainda estão no processo de reconhecimento pela AKC – em 1985.

Características

Cores da raça

A cor aceitável da raça dogo argentino, de acordo com a FCA, é branca. Também são admissíveis algumas manchas negras no rosto, desde que não cubram uma área maior que 10% dele.

Essas regras se aplicam caso você queira que seu dogo participe de competições. Se você quer apenas um companheiro, a presença de marquinhas negras não será um problema (até mesmo porque elas podem ser muito fofas!).

Temperamento do dogo argentino

Apesar de muita gente achar que o dogo argentino é agressivo e cruel devido a sua semelhança física com o pitbull (que também nem sempre faz jus à fama de mau!), ele é na verdade gentil, alegre, humilde, amigável e pode até mesmo ser considerado um cachorro tímido.

O dogo também é muito leal e adora estar na companhia da família, mas tem uma personalidade forte: se não tiver alguém com pulso firme para liderar a matilha, pode achar que é ele quem manda no pedaço e passar a apresentar um comportamento dominador.

Veja alguns fatos sobre o dogo argentino:

Crédito: Canal Dogueiros

A raça com crianças, estranhos e outros animais

O dogo argentino não é exatamente o tipo mais diplomático entre animais da mesma espécie. Se houver uma fêmea no pedaço, então, nem se fala: ele pode querer competir com outros cachorros pelo território, comportamento mais notado entre os machos da raça.

Por isso mesmo o treino de socialização é importante, além de ensinar o dogo a lidar com crianças. Como ele tende a se considerar o alfa, pode não aceitar muito bem membros da família que ele julgue “frágeis”. Por isso (e também por ser muito grande) requer supervisão quando na companhia de crianças muito pequenas. E isso também vale para os estranhos, então é ideal que você apresente seus amigos ao seu cachorro – ou ele pode não aceitá-los numa boa.

O dogo late muito?

Não. Por ser um cão de caça e de combate, o dogo argentino não é o tipo de cachorro que avisa seu dono onde está a presa, ele apenas vai buscá-la. O dogo argentino é muito corajoso e, por saber de sua força, ele sempre vai achar que pode resolver a parada sozinho. E isso faz com que ele não seja o tipo de cachorro que vai latir para te avisar de algum perigo, o que pode ser um inconveniente para quem deseja ter um cão de guarda em casa. Mas se você treinar seu dogo desde filhote, ele pode ficar muito bom em te chamar sempre que aparecer um problema ou ameaça.

A raça é destruidora?

Não. Apesar da cara de mau, o dogo argentino não costuma ser destruidor. Mas ele precisa de muito exercício e estímulo mental para que não fique ocioso e queira descontar nos móveis, chinelos, sapatos e afins. Se você quiser ter um cachorro dessa raça, lembre-se que ele precisa de bastante espaço, de preferência com quintais grandes, onde possa brincar e se exercitar bastante.

O dogo é agitado?

Depende. Pode-se dizer que isso depende de você! O dogo requer que você esteja sempre estimulando seu potencial de caçador, ou pode ficar ansioso e querer brincar quando não deve – quando você estiver consertando uma cerca, por exemplo. Mas com o adestramento adequado, e muita disciplina para levar seu cachorro para passear todos os dias, seu dogo argentino vai apresentar uma personalidade brincalhona e obediente.

Cuidados

Com um pelo curto e macio, o dogo argentino não dá trabalho. Mas, como em qualquer raça, alguns cuidados precisam ser adotados. Veja os principais a seguir:

– Banhos: a menos que seu dogo argentino goste de pisar em poças de lama e se esfregar na grama, o banho pode acontecer uma vez a cada dois meses, pois ele não costuma ter cheiro forte. Como é uma raça considerada “albina”, a pele do dogo argentino pode ser bastante sensível – o ideal é usar um shampoo suave, para evitar irritação.

– Pelos: outra vantagem de um dogo argentino é sua pelagem. Como é curtinha e macia, e não cai tanto quanto a de outras raças, como o poodle, você pode escovar seu dogo uma vez por semana, para remover o pelo morto e manter a pele dele saudável.

– Sol: a pele do dogo argentino é muito sensível ao sol. Isso porque seus pelos são claros e ele não tem subpelo, ou seja, a raça não tem protetores naturais contra a incidência solar. Por isso, evite fazer caminhadas nos períodos do dia em que há maior incidência solar (entre 10h e 16h) e lembre de aproveitar todas as sombras que encontrar pelo caminho.

– Unhas: as unhas também precisam de cuidados. O ideal é cortá-las a cada 15 dias, mas se seu dogo não tolerar ter as unhas cortadas, elas podem ser lixadas semanalmente.

– Olhos: como o dogo argentino tem predisposição a ter catarata e glaucoma, os olhos devem ser um ponto de atenção. Limpe-os com soro fisiológico sempre que puder.

Saúde

O dogo argentino é uma raça bem forte e saudável e raramente apresenta problemas de saúde. Mas algumas condições podem aparecer na raça. Veja quais são as principais:

– Orelhas: de acordo com uma pesquisa (em espanhol), cerca de 10% dos filhotes da raça têm predisposição à surdez nos dois ouvidos, e outros 16% em apenas um dos lados. Embora não haja tratamento, se diagnosticado desde o início, o problema pode ser controlado. É importante fazer o acompanhamento com um veterinário desde filhote.

– Quadril: o dogo argentino pode sofrer com problemas na articulação do quadril, chamada de displasia coxofemoral, condição comum em raças que sofreram várias cruzas para se tornarem mais fortes e com o tronco mais musculoso. Se seu dogo começar a mancar, é melhor levá-lo ao veterinário.

– Olhos: o dogo argentino também pode apresentar problemas na visão, como glaucoma e catarata, ambas de origem congênita – geradas no nascimento – no caso dessa raça. Apesar disso, essas condições costumam se manifestar quando eles já estão em idade mais avançada.

Nível de exercícios do cachorro

O dogo argentino é muito ativo e precisa de estímulo contínuo. Entre o treino de adestramento e passeios, exercite seu cachorro diariamente. Faça caminhadas diárias de cerca de 2 km com atividades de adestramento e socialização de cerca de 1 hora, intercalando as atividades.

Preço

Quanto custa um dogo argentino? O preço de um filhote pode variar de R$ 800 a R$ 3.500 — o valor foi calculado com base no preço nos principais sites de venda do país.

Antes de decidir comprar um cachorro, lembre-se que existem muitos animais abandonados nas ruas ou resgatados por ONGs à procura de uma família amorosa. Adotar é tudo de bom! 🙂

Curiosidades

– Reconhecimento tardio: como é uma raça relativamente nova, o dogo argentino foi admitido pelo American Kennel Club em 1985 como Miscellaneous Class. Até hoje a raça ainda está em processo de reconhecimento pelo AKC.

– Nome: dogo provém da palavra “dogue”, que tem origem no inglês arcarico “docga”, que significa “cão poderoso e musculoso”, ou no proto-germânico “dukkǭ”, que significa “poder, força”.

– Grécia antiga: o dogo argentino pode ser considerado um cachorro de categoria mossoloide, denominação comum a cães de físico forte, de porte grande a gigante, que são derivados de um ancestral antigo, o molossus, originário da Grécia antiga.

Censo Canino

Ranking de popularidade: o dogo argentino é a 64ª raça mais popular no Brasil

Nomes mais comuns: Frida e Duque (veja o top 10 no fim do post!)

Média de idade: a maioria dos dogos argentinos do Brasil tem até 1 ano

Cidades do Brasil com mais Dogo Argentino

Petrolina – PE

50%

Maricá – RJ

0.06%

Guarujá – SP

0.05%

Rio Grande – RS

0.05%

Campos dos Goytacazes – RJ

0.03%

Gostou? Compartilhe!

Compartilhe sua experiência

Saúde

Socialidade

Energia

Facilidade de treinar

Nível de cuidados