Conjuntivite canina

O que é?

A conjuntivite canina é uma doença comum em nosso dia a dia, mas poucos tutores sabem identificar os primeiros sinais do problema nos olhos dos cães. A conjuntivite está entre as doenças oculares que mais comumente acometem os cachorros e pode causar muito incômodo ao seu peludo.

A conjuntivite em cães trata-se da inflamação da mucosa que recobre as pálpebras e a parte branca do olho, chamada de conjuntiva. Sua função é proteger os olhos. Uma boa notícia é que a conjuntivite humana não afeta os cães e vice-versa. Entre os pets também é difícil de haver o contágio, já que a maioria dos casos de conjuntivite canina são causados pelo ressecamento dos olhos, traumas ou corpos estranhos.

Algumas raças de cachorro são mais comumente acometidas pelo desenvolvimento de doenças oculares, como o buldogue francês e inglêsshar-peipugchow chow, entre outras. Fique atento aos sintomas e saiba como ajudar o seu pet!

Sintomas

No início da conjuntivite canina, pode ocorrer uma leve irritação nos olhos do cão e não chamar tanta atenção do tutor. Com o tempo, a situação da doença pode piorar e levar aos seguintes sintomas:

– Olhos avermelhados;

– Lacrimejamento;

– Inchaço;

– Dor na região;

– Secreção e remelas;

– Dificuldade para manter os olhos abertos e ficar sempre com eles fechados, semifechados ou piscando o tempo todo;

– Coceira nos olhos;

– Sensibilidade à luz.

Causas

Não existe apenas uma causa para a conjuntivite canina. Conheça as principais:

– Ressecamento ocular: uma das causas comuns de conjuntivite em cães, pode ser provocada pela deficiência de lubrificação do olho.

– Traumas: quando o pet sofre alguma batida na região dos olhos, podem ocorrer lesões oculares na córnea e em outras estruturas.

– Corpo estranho: a inflamação pode ocorrer como uma reação a algum corpo estranho no olho, como poeiras e sujeiras da rua, que causam irritação da conjuntiva.

– Bactérias ou fungos: as inflamações primárias causadas por bactérias são mais raras em cães, mas podem ocorrer como consequência da presença de corpos estranhos, por traumas ou até pela coceira com as patas no local que já está inflamado. Já a conjuntivite por fungos também não é comum, mas pode ocorrer por uso prolongado de alguns tipos de medicamentos ou traumatismos.

– Doenças secundárias: algumas doenças podem causar a conjuntivite canina. Um exemplo é a alergia. Outras enfermidades, como cinomoseleishmaniose, podem comprometer a imunidade do animal e abrir as portas para complicações oculares.

– Condições ambientais: a poluição também pode afetar a saúde ocular dos pets e causar a conjuntivite canina.

Como identificar a conjuntivite canina

Ao notar um ou mais sintomas da conjuntivite canina, procure um médico veterinário de confiança. De acordo com a gravidade da doença, seu cachorro poderá ser encaminhado a um oftalmologista veterinário. O especialista irá identificar a origem do problema por meio do exame físico e outras avaliações específicas.

O diagnóstico poderá ser feito por meio da observação da conjuntiva. No entanto, é preciso encontrar a causa da inflamação, como, por exemplo, corpo estranho (algo externo que pode ter entrado no olho do pet). Por isso, nem sempre apenas o exame físico pode dar todas as respostas ao veterinário.

Pode ser necessária a realização de alguns testes. Entre as práticas utilizadas na rotina clínica para a identificação de problemas oculares estão:

– Exame de lágrima: chamado de teste de Shirmer, é feito por meio de uma tira de papel que ajuda a determinar se o cão está produzindo a quantidade de lágrima suficiente para manter os olhos bem lubrificados ou, ainda, se há produção excessiva de lágrimas.

– Contraste no olho: o colírio de fluoresceína, por exemplo, garante maior visibilidade para que o veterinário analise as estruturas oculares.

– Biomicroscopia ocular: juntamente com o colírio, permite a melhor visualização da pálpebra, conjuntiva, córnea e outras partes do olho.

– Cultura bacteriana: pode ser feita a avaliação do tipo de bactérias presente nos olhos.

– Fundoscopia: o exame de fundo de olho é realizado com o oftalmoscópico, que permite observar melhor as estruturas.

Tratamento e Prevenção

Nunca se deve medicar o cachorro sem a orientação de um veterinário, inclusive quando o problema é a conjuntivite canina. Somente o profissional poderá indicar os remédios adequados para cada caso. A recomendação para o tratamento pode incluir colírios ou pomadas, com antibióticos e anti-inflamatórios.

Em alguns casos, principalmente se houver a comprovação de outras doenças, o uso de medicamentos sistêmicos pode ser indicado. Outra parte importante parte do tratamento é a limpeza da região com algodão e soro fisiológico, por exemplo.

Como prevenir a conjuntivite canina

É sempre importante ter cuidado com a higiene dos olhos dos cães, limpando com soro fisiológico ou solução específica para os olhos a sujeira entre os pelos e as remelas.

Também é importante evitar o contato de produtos de higiene e limpeza com os olhos dos peludos, ainda mais em pets alérgicos. Ao perceber qualquer alteração nos olhos do pet que indique a conjuntivite canina, procure um veterinário.

Gostou? Compartilhe!

Deixe o seu comentário