Tosse, espirro e febre: veja todos os sintomas e saiba como manter seu cãozinho e seus hóspedes protegidos dessa doença.

A tosse dos canis, também conhecida por traqueobronquite infecciosa canina, é uma doença altamente contagiosa entre cães, transmitida por uma ou mais bactérias e que muitas vezes também está associada a um vírus.

Normalmente, o número de casos dessa doença cresce durante o inverno e em regiões de baixa temperatura, quando os cães ficam mais expostos ao clima e à umidade. Porém, as chances de transmissão também aumentam quando há aglomeração de cães – durante hospedagens, em creches, pet shops e exposições.

A tosse dos canis é uma doença contagiosa: saiba mais sobre ela, como tratar e prevenir. Sintomas

A doença recebe esse nome pois um dos principais sintomas é o cachorro tossir com frequência. Essa tosse, inclusive, pode ser confundida com engasgos, por isso é importante prestar atenção. Além desse, outros sintomas são os espirros, secreção saindo pelo nariz, boca e olhos, chiado respiratório, febre e, algumas vezes, o cachorro vomita uma espécie de espuma gosmenta – que, na verdade, é secreção vinda do sistema respiratório dele.

 

Formas de contágio

A principal forma de contágio é através do contato direto de um cachorro contaminado com um cachorro saudável, seja pela tosse ou por espirros, que fazem com que as bactérias e vírus se espalhem e cheguem até outros cachorros. Isso pode ocorrer na sua própria casa se você estiver cuidando de mais de um cãozinho e um deles estiver infectado, ou até mesmo durante passeios em locais públicos frequentados por cachorros como praças e parques.

Os microrganismos causadores da doença podem ficar em objetos de uso do animal como bebedouros, comedouros, cobertas e brinquedos, além de roupas, calçados, tapetes, sofás, etc., e em qualquer outro objeto que esteja presente nos locais que o cachorro circula e frequenta. Assim, a contaminação também pode ocorrer pelo uso em comum de objetos e pela má higienização deles e da casa.

Riscos da doença

Como alguns sintomas parecem simples (tosses e espirros), é possível que o tutor do pet ou você, Anfitrião, achem que está tudo bem e optem por não levar o cãozinho ao veterinário. Na maioria dos casos, os cães se recuperam da doença em 10 ou 15 dias. Mas, apesar disso, é interessante que o cachorro seja acompanhada por um médico veterinário. Isso acontece porque, em casos de cães muito jovens ou idosos, a tosse dos canis pode resultar num quadro de saúde mais grave, com pneumonias, o que pode levá-lo à morte.


O diagnóstico da doença tosse dos canis só pode ser feito pelo médico veterinário

Como tratar a doença – visita ao veterinário

Assim como qualquer complicação de saúde, ao perceber os sintomas você deve procurar pelo atendimento de um médico veterinário, que irá avaliar o estado de saúde do cachorro, se necessário fazer exames e diagnosticar a tosse dos canis.

Após o diagnóstico, no geral, o tratamento é feito com as seguintes medicações: xaropes/expectorantes que ajudam a diminuir a tosse, anti-inflamatórios para amenizar a inflamação e controlar a dor, antibióticos para combater a infecção bacteriana e inalação para auxiliar a expectoração da secreção produzida por essa doença.

Lembre-se: em nenhuma hipótese medique seu cãozinho ou seu hóspede sem o consentimento do tutor e a prescrição de um médico veterinário de confiança.

Como tratar a doença – recuperação em casa

Após a visita ao veterinário é necessário acompanhar a recuperação do cãozinho em casa. Para isso, alguns pontos são importantes:

  • Medicar o cãozinho na dosagem e horários exatos orientados pelo veterinário;
  • Garantir que o cãozinho está se alimentando e bebendo água adequadamente;
  • Vigiá-lo para que faça o máximo de repouso possível, evitando brincadeiras e passeios longos;
  • Oferecer um ambiente aconchegante, longe das baixas temperaturas e exposição ao frio;
  • Caso haja outros cãezinhos hospedados, mantê-los separados para evitar o contágio dos cães saudáveis por pelo menos 20 dias – tempo para recuperação do cachorro doente – além de não permitir que eles compartilhem os mesmos utensílios (potes, cobertas, brinquedos, etc.);
  • Manter a higiene básica, como por exemplo lavar as mãos com água e sabão após entrar em contato com o cachorro infectado;
  • Fazer uma boa higienização na casa, nos cômodos que o cachorro doente permaneceu e nos objetos que ele utilizou.

Para essa higienização, você deve lavar com água e sabão os potes e brinquedos do animal e depois deixá-los de molho por 15 minutos numa solução desinfetante que você mesmo pode fazer em casa: 1 parte de água sanitária para 4 partes de água – 200ml de água sanitária para 800ml de água, por exemplo. Essa mesma solução pode ser utilizada para limpar o chão.

A tosse dos canis pode resultar num quadro de saúde mais grave, o que pode levá-lo à morte do cachorro.

Dica da veterinária DogHero: Deixar de hospedar cães durante uma ou duas semanas também ajuda a eliminar os agentes que ficaram no ar e pela sua casa, diminuindo a chance de contágio nos cachorros.

Prevenção da tosse dos canis

A melhor forma de evitar que os cães sejam infectados e contraiam a tosse dos canis é através de vacinação. Sim, existe uma vacina própria para a prevenção dessa doença. Consulte seu veterinário e pergunte sobre ela. Você também pode obter mais informações sobre vacinação de cães (inclusive a de tosse dos canis) clicando aqui.

É importante ressaltar que nenhuma vacina é 100% eficaz, mas diminui consideravelmente as chances de contágio. Durante o pré-encontro, tente abordar esse assunto com os tutores do hóspede, verifique se ele possui essa vacina e, caso não, mencione a importância dela para os cães, além de manter o seu próprio pet vacinado. Assim seus hóspedes terão muito menos chances de contrair essa doença.

Se você observar esses sintomas em algum dos seus hóspedes, separe-o imediatamente dos demais, comunique o tutor e leve-o ao veterinário. Clique aqui, confira as regras da garantia veterinária e saiba como acioná-la.

Fonte: veterinária DogHero Ingrid Stein