GUIA RÁPIDO

TIPO DE DOENÇA

Inflamação cutânea

PRINCIPAIS SINTOMAS DA DERMATITE CANINA

Coceira, vermelhidão na pele, lambidas e mordidas no local afetado, inchaço, pus, pele seca e escamosa, perda de pelo

TRATAMENTO PARA DERMATITE CANINA E CURA

Uso de medicamentos tópicos ou orais (dependendo do tipo de dermatite)

COMO PREVENIR

Cuidados com a pele do cachorro e com a alimentação

O que é dermatite canina?

A dermatite canina é uma inflamação na pele muito comum em cães, principalmente os de pelagem longa e espessa. Isso porque um pelo mais denso e abundante costuma ser um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias e fungos, principal causa da dermatite em cães.

Mas a dermatite não se desenvolve apenas pela presença de bactérias e fungos. Ela também pode ter um fundo alérgico, como resposta do organismo do seu cachorro a algum componente agressivo à pele. Também há a possibilidade de desenvolver a dermatite por razões emocionais, como por estresse, por exemplo.

Há, ainda, a dermatite do tipo autoimune. Esse tipo ocorre quando o organismo do pet reage contra ele mesmo. É um tipo raro e costuma ter origem em fatores hereditários ou ambientais.

Quais são os sintomas da dermatite canina?

Independentemente de qual tipo de dermatite canina esteja atingindo seu cachorro, o principal alvo dessa doença é a pele do animal. Um sinal comum é a perda de pelo, que fica com falhas e ralo. Também fique atento para ver se seu pet não está lambendo, mordendo ou coçando continuamente uma área específica da própria pele.

Ao notar esse comportamento, verifique a região que seu cachorro está coçando para ver se ela não apresenta vermelhidão, purulência, grumos ou pus. Veja também se a pele não está com um aspecto seco e escamoso. E fique atento caso ela apresente inchaço e bolinhas vermelhas.

Se seu pet apresentar qualquer um desses sintomas, leve-o ao veterinário para saber como tratar adequadamente e como agir com seu cachorro.

Transmissão e causas da dermatite canina

A dermatite canina não é transmissível nem para humanos nem para outros cachorros. Mas é importante descobrir a sua causa para saber qual o melhor tratamento. Como há três tipos de dermatite, vale conhecer melhor cada uma delas.

Dermatite canina infecciosa

A principal causa da dermatite infecciosa é a proliferação de fungos ou bactérias. Esse tipo é mais comum em raças com bastante pelo, pois isso ajuda a manter a umidade, o que gera o ambiente perfeito para as bactérias se reproduzirem. As raças que mais costumam sofrer de dermatite infecciosa são: lhasa apso, shar pei, labrador retriever, entre outras com pelagem densa.

Dermatite canina alérgica

A dermatite alérgica é um tipo mais específico e costuma aparecer quando a pele entra em contato com alguma substância que o corpo do animal tenta rejeitar, daí surgirem a vermelhidão e a pele seca. Mas se a alergia for resultado da reação a algum item da alimentação do seu cachorro, o veterinário pode recomendar medicamentos orais antialérgicos e a adoção de uma dieta hipoalergênica.

Dermatite canina autoimune

A dermatite autoimune é uma resposta do organismo do animal a algum agente do próprio organismo. Ela acontece quando o corpo não reconhece a invasão de microrganismos por alguma doença subjacente. Esse estranhamento gera anticorpos que afetam as células e tecidos normais do cachorro. Esses anticorpos atacam o tecido epitelial (a pele) do peludo, gerando a dermatite autoimune.

Diagnóstico e tratamento para dermatite canina

O diagnóstico e tratamento para dermatite canina dependem de qual tipo seu cachorro está sofrendo. Veja a seguir quais são os tratamentos para cada uma delas.

Dermatite canina alérgica

A dermatite canina alérgica costuma ocorrer quando alguma substância agride a pele do cachorro. Esse contato com o agente alergênico acontece tanto pela pele como pela ingestão de algo que o corpo rejeita. Para saber que tipo de contato acometeu o cachorro, seu veterinário pode pedir exames para saber qual a real origem da alergia.

Mas, em geral, o veterinário vai prescrever um tratamento assumindo que o contato se deu com a pele. Ele vai indicar o tratamento com pomadas dermatológicas e xampus antialérgicos. E vai sugerir que você fique de olho para ver se a doença não progride. Ele também pode recomendar o uso de medicamentos anti-histamínicos, comuns para alergias.

Se a doença progredir ou não for controlada com o tratamento indicado, é a hora de fazer exames para identificar que tipo de substância está causando a alergia. Isso é importante para saber quais gostosuras são boas (ou não) para o seu cachorro e que tipo de produtos para banho deve usar, que evitem a irritação da pele.

Dermatite canina infecciosa

Por ser bastante comum, o tratamento da dermatite infecciosa canina tende a ser bem simples. Ao verificar a presença dos sintomas, o veterinário pede exames citológicos para analisar as células do tecido afetado e descobrir se a dermatite é fúngica ou bacteriana.

Nos dois casos, tratar a dermatite canina infecciosa envolve dar remédios ao cachorro. Se for identificada a presença de bactérias na pele do animal, o tratamento é feito com antibióticos de administração oral e tópica. Mas se a dermatite canina for causada por fungos, o veterinário recomenda o uso de medicamentos antifúngicos ou antimicóticos.

Dermatite canina autoimune

A dermatite canina autoimune costuma ser tratada com medicamentos anti-inflamatórios para controlar os sintomas. Mas a melhor forma de cuidar é melhorar o sistema imune do seu cão, principalmente com alimentação.

Independentemente do tipo de dermatite canina, o veterinário vai pedir para você colocar o colar elizabetano no seu pet. Apesar de ser o pesadelo de todos os cachorros, ela ajuda a evitar que ele coce ou lamba a área afetada. Especialmente depois de aplicada a medicação, também ajuda a evitar que ele sofra alguma reação por ingestão do remédio.

Como prevenir a dermatite canina

A melhor maneira de prevenir a dermatite canina é cuidando muito bem do seu cachorro. Se ele tem muito pelo, escove-o com frequência e atenção para monitorar a saúde da pele. Outro cuidado que você deve tomar é para que o pelo fique bem seco depois de dar banho no peludo – lembra da história da umidade?

Se ele tiver alergias, fique atento à alimentação do seu cachorro. Atualmente, há uma gama de rações no mercado que já não vêm com glúten ou leite adicionados, ou ainda as rações superpremium. Embora elas sejam um pouco mais caras, vale a pena investir na saúde do seu cachorro.

Você também pode introduzir uma dieta hipoalergênica à alimentação do seu pet. Em geral, essa costuma ser a saída para muitos tutores que não têm recursos para fazer testes de alergia (eles não costumam ser baratos!) e descobrir exatamente a que tipo de alimento eles têm intolerância.

Além disso, é importante manter a casa limpa, principalmente nas áreas em que o cachorro transita. Isso ajuda a livrar esses locais de possíveis agentes causadores de dermatite canina (entre outras diversas doenças, claro!).

O artigo foi útil? Aproveite e leia também como adestrar o cachorro em casa.