GUIA RÁPIDO

TIPO DE DOENÇA

Infecção viral

PRINCIPAIS SINTOMAS DA CINOMOSE

Os principais sintomas da cinomose são: secreção no nariz e nos olhos, tosse, cansaço, febre, falta de apetite, vômito, diarreia, espasmos musculares, convulsões, paralisia parcial ou total, bolinhas com pus na região do abdômen (pústulas) e nariz e focinho com crostas ásperas

CINOMOSE TEM CURA? E TRATAMENTO?

Não existe remédio para cinomose, mas é possível curar com tratamento de suporte ao cachorro para que seu corpo combata o vírus. Sim, cinomose tem cura, mas o processo é delicado e exige muita atenção e dedicação dos donos e veterinários

COMO PREVENIR A CINOMOSE

Vacinar corretamente o cachorro e evitar o contato com animais doentes e ambientes e objetos contaminados

O que é cinomose?

A cinomose tem cura, mas é uma doença grave e muitas vezes fatal causada por um vírus chamado CDV (na sigla em inglês). Ela afeta animais do grupo dos canídeos, como cachorros, raposas e lobos, e ataca diversos sistemas do corpo. As formas de transmissão da cinomose mais comuns são pelo ar, pelo contato com a secreção do nariz ou da boca dos animais com o vírus da cinomose (presente em todas as secreções do animal) e pelo contato com ambientes e objetos contaminados.

Todos os cachorros podem pegar cinomose, mas alguns têm chances maiores de desenvolver a doença, principalmente animais mais jovens (entre 3 e 6 meses de idade). Outros podem contrair o vírus CDV sem nunca manifestá-lo; no entanto, continuam sendo fonte de contaminação para cães e demais animais. Cinomose tem cura, mas o vírus tem alta taxa de mortalidade e pode deixar sérias sequelas.

Quais são os sintomas da cinomose?

A cinomose é uma infecção viral que ataca os sistemas nervoso, respiratório e gastrointestinal do corpo do cachorro. A doença tem quatro fases: cutânea, digestiva, respiratória e nervosa. Elas não ocorrem necessariamente nessa ordem, e alguns cães podem não passar por todas as quatro. Veja os sintomas característicos de cada uma:

1. Cutânea:

  • bolinhas com pus na região do abdômen (pústulas), similares a espinhas
  • almofadas das patas e nariz ficam grosseiros e ásperos (hiperqueratose dos coxins)

2. Digestiva:

3. Respiratória:

  • secreção nasal
  • tosse com catarro
  • olho seco com remela (ceratoconjuntivite seca)

4. Nervosa:

  • tremores
  • falta de coordenação motora
  • contrações musculares involuntárias (mioclonias)
  • não conseguir ficar de pé
  • perda de movimentos total ou parcial
  • convulsões
  • uivos, choro e gritos

Em muitos casos, os sintomas da cinomose só chamam a atenção do tutor na fase neurológica, quando a doença está em um estágio avançado. A cinomose tem cura, mas quanto mais se desenvolve, mais difícil se torna o tratamento do cachorro com cinomose e maior é o seu sofrimento. Fique sempre atento ao sinais do seu pet e busque ajuda o mais rápido possível. Quando a cinomose evolui e chega à fase nervosa, etapa mais séria da doença, a eutanásia é indicada pelos veterinários.

Transmissão e causas da cinomose

A cinomose é causada pelo vírus CDV, sigla que em inglês corresponde a Canine Distemper Virus, ou vírus da cinomose canina. Ele é transmitido pelo ar e/ou contato com o vírus por meio da secreção do nariz ou boca de animais infectados ou objetos compartilhados, como brinquedos e tigelas de água e comida. Como a doença afeta também outros bichos além do cachorro, como raposas, guaxinins e furões, o contato do pet com esses animais também pode colocá-lo em risco.

Apesar de nenhum cachorro estar livre de ser contaminado pelo vírus, nem todos chegam a manifestar a doença durante sua vida. Os grupos que têm maior risco de desenvolver a cinomose são filhotes, que ainda não têm o sistema imunológico totalmente formado, e cães que não receberam as vacinas V8 e V10, que protegem contra essa e outras doenças.

Ainda que o vírus da cinomose seja sensível a ambientes quentes e úmidos, o mesmo não acontece em locais frios e secos: nestes, ele pode resistir por muito tempo. Uma limpeza geral com produtos específicos deve ser feita. Mesmo assim, filhotes e cachorros não vacinados não devem ter contato com um ambiente onde viveram animais infectados por pelo menos um ano. Isso não descarta a necessidade de também vacinar o pet contra a cinomose e outras donças.

Diagnóstico e tratamento para cinomose

Se seu cachorro foi diagnosticado ou apresenta sintomas da doença, você deve estar se perguntando: cinomose tem cura? Não há um remédio específico para o vírus responsável pela condição, mas com um tratamento de suporte – ou seja, tratamento dos sintomas – é possível dar chance para que o corpo do animal se fortaleça e combata a cinomose. A taxa de sobrevivência, no entanto, é muito baixa: aproximadamente 15%.

O diagnóstico de cinomose deve ser feito por um veterinário. Ele vai analisar os sinais clínicos que o cachorro apresenta e realizar exames de laboratório, radiografia ou PCR (exame do DNA) para confirmar a presença da doença. A partir disso, o profissional será capaz de indicar o melhor tratamento, de acordo com o estágio da doença em cada cachorro.

O tratamento da cinomose consiste em tratar os sintomas e tornar a vida do animal mais confortável, além de prevenir infecções derivadas da doença. Quando a cinomose é identificada no início, o tratamento dos sintomas pode permitir que o animal se fortaleça e seu sistema imunológico combata o vírus, mas são casos raros. Mesmo quando isso é possível, os danos causados pela doença podem deixar sequelas, como limitações nos movimentos.

Importante: como a cinomose é altamente contagiosa, caso seu animal seja diagnosticado com o vírus, você deve evitar o contato entre ele e outros animais. Também tome cuidado com a sua roupa e sapatos após ter contato com um cachorro doente: você pode carregar o vírus. Procure sempre se trocar. Apesar disso, a cinomose não ataca humanos.

Como prevenir a cinomose

Sim, a cinomose tem cura, mas é uma doença grave e em muitos casos fatal. Por isso, a melhor forma de proteger seu cachorro é evitar a contaminação. Saiba como prevenir:

– Vacinas: faça todas as vacinas necessárias desde filhote para proteger seu cachorro.

– Contato: evite que seu pet tenha contato com animais infectados e seja exposto ao mesmo ambiente em que vive ou viveu um animal com o vírus.

– Filhotes: não é recomendado levar seu filhote ao parque ou locais abertos antes de esperar 21 dias após a última dose de vacina, pois isso aumenta sua exposição à cinomose e outras doenças.

Gostou? Então veja dicas de como dar remédio para o cachorro de um jeito fácil!