Cachorro tremendo: o que pode ser?

O cachorro tremendo apresenta um dos sinais mais comuns de que algo não vai bem com o cachorro: o próprio tremor. A tremedeira é causada por movimentos involuntários que podem ser rítmicos ou oscilatórios em uma parte ou no corpo inteiros do pet.

Mas atenção: antes de entrar em pânico e pensar em um milhão de doenças que podem acometer o cachorro com tremedeira, é preciso parar e analisar bem a situação. Somente com o sinal de tremor é muito difícil para se chegar a uma conclusão sobre o problema do cachorro.

Em cada caso é preciso notar o que leva o cachorro a começar a tremedeira. Isso porque os cães podem ter tremores por razões físicas ou psicológicas. Assim, o tutor deve ser um bom observador para ajudar o veterinário a fechar o diagnóstico. Saiba mais sobre as possibilidades que podem deixar um cachorro tremendo e como você deve agir.

O que fazer quando meu cachorro está tremendo

Em qualquer situação, é fundamental o acompanhamento do veterinário para identificar o real problema que deixa o cachorro tremendo. Cada situação é única e somente um especialista poderá indicar o melhor tratamento para o pet.

O que observar no cachorro com tremedeira

Observe o cachorro tremendo e tente responder algumas perguntas:

– Qual a frequência da tremedeira no cão? É recorrente ou acontece de vez em quando?

– Em quais situações ele costuma tremer?

– A intensidade da tremedeira é sempre a mesma ou vem piorando?

– Quais são os outros sinais associados a tremedeira? Alguns deles podem ser vômito, diarreia, febre, perda de consciência…

– O pet começou a tremer depois de alguma situação ou evento específico? Se sim, você consegue descrever o que aconteceu?

Todas essas respostas são importantes para ajudar o veterinário a entender melhor o cotidiano do animal e o que pode ter levado-o a começar a tremer.

Causas de tremedeira em cachorro

Como explicamos, várias hipóteses podem ser levantadas para o cachorro tremendo. Levantamos algumas dessas situações mais comuns. Não se esqueça de que outros problemas não estão descartados, e um veterinário deve ser consultado:

Causas físicas

– Dor: as sensações desagradáveis causadas pela experiência de dor no pet são motivos suficientes para deixar o cachorro com tremedeira. O cão não tem a capacidade de nos explicar exatamente o que está sentindo, mas o sofrimento causado pela dor com certeza irá se manifestar por meios de vários sinais comportamentais e o tremor é um deles. Outros podem ser: vocalização, agitação, respiração ofegante, falta de apetite, etc.

Epilepsia: pode ser resultado de lesões cerebrais e causam tremor local ou em todo o corpo. Esse quadro pode se repetir com grandes intervalos ou se tornar frequente, levando o animal ao estado epilético (quando as crises são contínuas, repetidas e sem recuperação total do animal entre elas).

– Deficiência de cálcio: é a baixa concentração deste mineral no sangue. Esse problema leva a crises convulsivas, com tremores e contrações musculares.

Frio: ocorre quando a temperatura corporal fica baixa para manter o corpo em uma condição adequada e o metabolismo normal. O tremor é um dos sinais, além de auxiliar na produção de calor.

– Mioclonia: é uma condição que pode ter origem por doenças que afetam o sistema nervoso, como a cinomose, a intoxicação por medicamentos ou até ser congênita (que nasce com o indivíduo). É caracterizada por contrações repetitivas e involuntárias de um ou mais músculos, o que pode parecer uma tremedeira no cão.

– Doenças neurológicas: que acometem nervos, neurônios em diversas regiões do cérebro, cerebelo e outras partes do sistema nervoso. Podem ser doenças degenerativas, congênitas, hereditárias ou não.

– Síndrome de Tremor Generalizado (Síndrome do Cão Tremedor): tremor de todo o corpo, que podem cessar durante o sono animal. Ainda não estão claras as causas dessa doença.

– Trauma: se o cão sofreu algum impacto (queda, batida, etc.) pode desenvolver a tremedeira na cabeça ou nos membros.

– Senilidade: quando os cães ficam mais velhos podem desenvolver tremor por fraqueza muscular, artrite, alterações neurológicas e outras causas não totalmente esclarecidas. É comum que os idosos desenvolvam a Síndrome da Disfunção Cognitiva Canina, em que ocorre degeneração de neurônios.

– Intoxicação: por herbicidas, inseticidas, tratamentos contra parasitas, alimentos (chocolate, por exemplo), venenos de animais, medicamentos (efeito colateral), plantas e outros.

– Hipoglicemia: os níveis de glicose no sangue podem cair a ponto de causar tremores. Vários motivos podem ser apontados para a hipoglicemia, como doenças hormonais, tumores, entre outros.

Causas psicológicas

– Medo: de barulhos (trovões, alarme, música, televisão ou fogos de artifício), pessoas, objetos ou situações específicas.

– Ansiedade: é uma resposta diante de situações que podem ocorrer em um futuro próximo. Muitos cães sofrem de ansiedade de separação do tutor, por exemplo.

– Estresse: diante da introdução de novos animais, bebês e outras pessoas na casa.

– Agitação excessiva: alguns pets são mais agitados e podem apresentar tremedeira diante de algumas situações que o deixem alegres, por exemplo. Quem nunca viu um cachorro tremendo de felicidade quando reencontra o tutor?

O que fazer com o cachorro tremendo?

Para o correto diagnóstico das causas que levam um cachorro tremendo a ficar assim é fundamental o acompanhamento de um médico veterinário. Somente o especialista poderá realizar os exames necessários para entender o que está acontecendo o pet.

No entanto, a participação do tutor será fundamental para levantar o histórico do pet e ajudar o profissional a fechar o correto diagnóstico. Encontrada a causa, o veterinário irá recomendar o tratamento para a doença de base (causa da tremedeira) e os sintomas.

Se for uma condição física, o veterinário indicará a prescrição de medicamentos para o tratamento da doença. Pode ser orientado que o pet faça outros tipos de terapias que possam ajudar na reabilitação do pet: fisioterapia, acupuntura, homeopatia, etc.

Agora, se se tratar de condições psicológicas, além de medicamentos alopáticos e naturais, pode ser importante treinar o pet para evitar que ele sofra nas situações que são gatilhos, evitando a tremedeira. Nesse caso, você poderá contar com a ajuda de um adestrador ou de um especialista em comportamento canino.

O importante é sempre proporcionar muito conforto ao pet por meio do tratamento, da reabilitação psicológica, da melhora dos sintomas para melhorar ainda mais a qualidade de vida e o bem-estar do peludo.

Gostou das dicas? Então veja como fazer o adestramento de cães em casa!