Lhasa apso

Lhasa apso: esperto, confiante e independente

Há quem o chame de iasa apso, mas o correto é lhasa apso. É um cachorro que adora o tutor, mas não é obcecado por colo. Gosta de estar por perto, mas não necessariamente com contato físico. Os cachorros dessa raça são alegres e divertidos, mas não são muito receptivos com estranhos e tendem a ter ciúme de seus alimentos, brinquedos e tudo que considerarem valioso.

O pelo longo do lhasa apso é característico da raça e requer grande manutenção. Por isso, muitos tutores optam pela tosa para deixá-lo curto – o que apenas reduz o tempo de manutenção, mas não a frequência. Também característico da raça é o hábito de vigiar: seja a porta de casa ou a janela, é um cachorro atento e que gosta de latir para alertar.

Origem: Tibete
Peso: 5-8 kg
Altura: 23-25 cm
Expectativa de vida: 12-15 anos

Censo Canino

Ranking de popularidade: o lhasa apso é a 5ª raça mais popular do Brasil

Nomes mais comuns: Lola e Ted (veja o top 10 no fim do post!)

Média de idade: a maioria dos lhasas apsos do Brasil tem entre 2 e 4 anos

Cidades do Brasil com mais lhasas apsos*:

  • Guarapuava – PR 16,1%
  • Itapetininga – SP 13,5%
  • Ponta Grossa – PR 10,8%
  • Bauru – SP 10,8%
  • São Roque 10,0%

*A porcentagem foi calculada em relação ao total de cachorros cadastrados na mesma cidade na base da DogHero

História do lhasa apso

Originário das montanhas do Tibete, o lhasa apso ou, como é conhecido em sua terra natal, Abso Seng Kye (Cão Leão Sentinela que Ladra), foi desenvolvido por monges budistas para guardar os templos da região, milhares de anos atrás. Embora essa seja a crença mais difundida sobre essa raça, pesquisas recentes com o DNA da raça indicam que ela está mais próxima é dos lobos das montanhas do Tibete

Como a região dos montes tibetanos é fria e montanhosa, o lhasa apso foi desenvolvido para suportar baixas temperaturas, mas também para ser resiliente e para discernir quem era amigo e quem era inimigo.

Cuidadosamente guardados nos templos pelos monges budistas, os lhasa apsos nunca eram vendidos. Mas ocasionalmente eram dados de presente a famílias imperiais chinesas e visitantes pelos Dalai Lama. O que possivelmente originou uma série de raças de cães chineses, como o shih tzu.

Em 1933, o naturalista Suydam Cutting, em visita à cidade de Lhasa, ou Lassa, capital administrativa da Região Autônoma do Tibete, ganhou de presente do Dalai Lama dois lhasas. Ele os levou para os Estados Unidos e iniciou sua criação e difusão na América do Norte. A raça foi reconhecida pelo American Kennel Club (AKC) dois anos depois, em 1935, e vem ganhando espaço na lista das preferidas mundo afora.

Cores da raça

O pelo do lhasa apso pode apresentar uma ampla gama de cores e combinações, desde dourado até preto. Conforme envelhece, sua pelagem pode clarear, e é comum os pelos do rosto e das orelhas serem mais escuros que os pelos do corpo.

As cores padrão do lhasa apso são dourado, areia, mel, cinza escuro, ardósia (um tom de cinza), particolor (dividido em áreas com duas ou mais cores), preto ou branco. Todas as possibilidades de combinações são reconhecidas pelo AKC.

Temperamento do lhasa apso

O lhasa apso tem uma personalidade bastante peculiar e até mesmo temperamental. Seu humor bastante variável vai do alegre, brincalhão e amigável ao distante, majestoso e possessivo. O lhasa apso pode até parecer indiferente, mas na verdade ele só está impondo sua independência, já que agradar seu dono não é sua prioridade.

Como ainda levam seus papéis históricos de guardiões a sério, os lhasa apsos podem ser possessivos com relação a tudo o que eles consideram valioso, mostrando um comportamento agressivo caso alguém toque em um brinquedo, osso, ou até mesmo em sua comida. Isso faz com que ele não seja tão adequado para convívio com crianças pequenas. E, embora sejam carinhosos com as pessoas do círculo familiar, eles não são receptivos com estranhos. Então, se você é uma pessoa que gosta de receber visitas, lembre-se que a recepção do lhasa apso pode não ser das mais calorosas.

Outra característica marcante da raça é seu instinto natural de latir quando sente alguma ameaça. E, ainda que seja adestrado, a vontade de latir pode até ser contida, mas não necessariamente anulada. Essa característica torna o lhasa apso um bom cão de guarda – mas se você tem o sono leve, essa raça talvez não seja a mais adequada.

Veja alguns fatos sobre o lhasa apso:

Crédito: Canal Dogueiros

A raça com crianças, estranhos e outros animais

Criados para serem cães de guarda, os lhasa apsos tendem a ter um comportamento possessivo e territorial, o que geralmente é um sinal de alerta para outros cachorros e estranhos. Por isso é muito importante adestrá-lo desde cedo.

O lhasa costuma se dar bem com crianças mais velhas, pois elas têm o discernimento de não mexer nas coisas dele. Não é muito bom tê-lo por perto de crianças menores: ele pode ficar agressivo se o bebê quiser, por exemplo, pegar o osso dele (e o mesmo vale para outro cachorro).

O lhasa apso late muito?

Sim. Como seu próprio nome de origem já diz, o lhasa é o “Cão Leão Sentinela que Ladra”, portanto, mesmo quando devidamente socializados, eles vão latir. O que não significa que ele faça isso o tempo todo, mas ele late quando se sente ameaçado. O problema é que, para o lhasa, praticamente tudo pode ser uma ameaça.

A raça é destruidora?

Quando filhote, o lhasa pode ser um pouco bagunceiro e agitado, mas esse comportamento tende a se acalmar com aproximadamente um ano de idade, quando ele amadurece.

O lhasa apso é agitado?

Não. A raça lhasa apso não é considerada muito agitada. Ele até gosta de brincar, mas não resiste por muito tempo e logo decide que é hora de descansar. Afinal, ele precisa guardar suas energias para quando uma ameaça real se apresentar.

Saúde do lhasa apso

Os lhasas costumam ter uma boa saúde, mas é preciso ficar atento ao desenvolvimento de algumas doenças comuns, como:

– Olhos: a conjuntivite canina é bem comum em cães com focinho curto e olhos salientes, como o lhasa. As causas podem ser variadas, como presença no ambiente de alérgenos, pó, componentes químicos, entre outros. Ao contrário do que se acredita, a conjuntivite canina não é contagiosa para humanos, mas nem por isso você deve deixar de levar seu bichinho ao veterinário para receber o tratamento adequado.

– Rins: a displasia renal é uma condição congênita, ou seja, ela se manifesta antes do nascimento. Ela ocorre quando um ou ambos os rins do animal não se desenvolvem corretamente quando o cachorro está sendo gerado no útero da mãe. É importante verificar se seu cão não apresenta perda de peso, cansaço anormal e edemas (acúmulos de líquidos), sintomas da doença.

– Joelho: a luxação da patela, quando o osso do joelho se desencaixa da articulação do joelho, causa dores e falta de mobilidade. Como é uma doença que costuma acometer animais pequenos, é bom ficar de olho no seu lhasa e levá-lo ao veterinário caso ele comece a mancar.

– Pele: a dermatite (inflamação na pele) é comum na raça, pois sua pelagem abundante impede a ventilação na pele, que pode reter a umidade. Se seu cachorro começar a se coçar e lamber bastante, é melhor levá-lo ao veterinário.

Nível de exercícios do cachorro

O lhasa apso é um cachorro que precisa de um nível de atividade médio. Em treinos de obediência, ele não é um cão muito dócil, até porque pode se achar mais esperto do que seu treinador Por isso mesmo respondem melhor a treinamentos de reforço positivo, com bastante recompensa!

Se você for adestrar seu lhasa apso, faça sessões de treinamento curtas, pois a raça é muito inteligente e tem alta capacidade de raciocínio. Esses cachorros também tendem a se entediar bem rápido com exercícios repetitivos. Para manter seu lhasa apso em forma, faça atividades diárias de uma hora, com caminhadas de um pouco mais de 1 km por dia em média, totalizando cerca de 9,5 km semanais.

Cuidados com o lhasa apso

Fora o cuidado com os pelos, os cuidados com o lhasa apso são os mesmos que valem para todas as raças. Veja os principais:

– Pelos: a pelagem longa e abundante do lhasa apso exige um bocado de atenção. A rotina de cuidados deve ser diária. Por isso é bom acostumá-lo desde cedo à escovação que, aliás, também é um ritual bacana para verificar a pele do seu cachorro e verificar se não há alergias.

– Dentes: outro ponto de preocupação com o lhasa apso são seus dentes, que devem ser escovados regularmente para evitar o tártaro e inflamações na gengiva.

– Unhas: se não houver o desgaste natural das unhas, o que em geral ocorre com caminhadas em pisos ásperos, é bom cortar as unhas do seu lhasa apso a cada 45-90 dias.

Banho: os banhos devem ocorrer semanal ou quinzenalmente. E não se esqueça de secá-lo muito bem, para evitar o acúmulo de umidade, o que pode causar descamação na pele.

Curiosidades sobre a raça

– Reencarnação: criados pelos monges budistas do Tibete, muitos deles acreditavam que os lhasa apsos eram a reencarnação de sacerdotes dos templos. Será que seu cachorro foi um monge budista?

– Turma da Mônica: você lembra do Floquinho, o cachorro do Cebolinha, da Turma da Mônica? Pois é, o lhasa apso serviu de inspiração a Maurício de Souza para criar o mascote da turma.

– Cão lobo: embora não se saiba exatamente qual a ancestralidade do lhasa apso, pesquisas com o DNA da raça indicam eles são parentes de uma variedade de lobos das montanhas do Tibete.

Lhasa apso: preço e adoção

Gostou da raça e quer saber quanto custa um lhasa apso? De acordo com os principais sites de venda do país, o preço de um filhote de lhasa apso pode variar entre R$ 500 a R$ 2.000.

Antes de decidir comprar um cachorro, lembre-se que existem muitos animais abandonados nas ruas ou resgatados por ONGs à procura de uma família amorosa. Adotar é tudo de bom! 🙂 Saiba tudo sobre adoção de cachorro.

Nomes de lhasa apso: os mais populares

Nomes de lhasa apso fêmea Nomes de lhasa apso macho
Lola Ted
Mel Bob
Cacau Nick
Bela Theo
Belinha Thor
Luna Billy
Nina Luke
Maggie Toddy
Amora Fred
Julie Marley