A gente explica como diferenciar cada tipo de lesão e o que fazer para garantir que o cãozinho hóspede se recupere rapidamente.

Cena comum pra quem hospeda cães em casa: o peludo fica animado para brincar, você joga um brinquedo longe e ele sai correndo para pegar. Na hora de pegar o brinquedo, ele derrapa e volta mancando. E aí, o que fazer? Em qualquer das situações abaixo, o mais importante é sempre manter a calma; especialmente logo quando você perceber que tem algo errado com o hóspede, e comunicar o tutor do pet.

CONTUSÕES

As contusões são machucados feitos em algum músculo, como quando o peludo bate a perna na parede ou se algo cai em cima dele. Pode ser que o músculo na área do impacto fique dolorido, inchado e com hematoma (roxo), dependendo da força da batida. Não é comum que contusões sejam graves, e o normal é que o local machucado melhore sozinho depois de algum tempo. Depois que você perceber que o cão está mancando, observe o comportamento dele.

Importante: se ele der sinais de estar sentindo muita dor ou de não conseguir apoiar o peso na pata machucada, leve-o ao veterinário e avise aos donos. Talvez seja necessário algum remédio para ajudar a diminuir o inchaço e a dor, ou até mesmo algum outro procedimento que só um médico veterinário pode avaliar e dizer o que precisa ser feito.


ENTORSES E LUXAÇÕES

As palavras são difíceis, mas a gente explica. Nos casos de entorses e luxações, as áreas afetadas são os tecidos que formam as articulações – como os ligamentos e os meniscos (as “almofadas” das patas que absorvem o impacto entre os ossos daquela região). A diferença é o tipo de machucado: quando acontece uma entorse, os tecidos da articulação ficam machucados, mas não se rompem nem saem do lugar; quando ocorre uma luxação, os tecidos se rompem e o osso sai do lugar seja parcial ou completamente. A luxação pode parecer mais evidente pois, dependendo do caso, faz o membro parecer “solto” e/ou ficar em uma posição não natural.

Várias situações podem levar a entorses e luxações como batidas e hiperextensão

Várias situações podem levar a entorses e luxações: batidas, hiperextensão (quando estão correndo, por exemplo, e esticam as patas mais do que deveriam), tombos, tropeços…

São machucados bem dolorosos e podem piorar com o tempo. Algumas raças têm predisposição a alguns tipos de luxação. Os malteses e yorkshires, por exemplo, têm propensão à luxação de patela (joelho); já os pastores alemães à luxação da coxofemoral (quadril). Por isso, fazer pré-encontro e conhecer o cãozinho antes da hospedagem começar é fundamental. Nesse momento, você pode questionar o tutor se o hóspede já teve algum problema nas patas e como proceder caso algo do tipo aconteça novamente durante a estadia do pet com você.

Os tratamentos para entorses e luxações podem variar entre apenas um período de repouso até uma cirurgia de correção. Se não forem tratados da forma recomendada, vão se agravando e podem danificar permanentemente a articulação afetada. Por isso é essencial que, assim que perceber que algo pode estar fora do lugar, você leve seu hóspede ao veterinário e siga as recomendações dele à risca.

No caso de alguma cirurgia em ligamento ser necessária, tenha em mente que é um procedimento delicado e vai exigir muito cuidado no pós-operatório para que cicatrize corretamente. Mesmo assim não há uma garantia que o peludo vá recuperar 100% do movimento.


FRATURAS

No caso de fratura é bem comum que cirurgias sejam necessárias. Como o próprio nome diz, as fraturas são quebras nos ossos. Elas também acontecem por conta de pancadas e batidas, e a gravidade vai depender muito do osso e da forma com que quebrou. Causam muita dor ao cachorro, mas após a imobilização do membro geralmente ficam confortáveis. Então, assim que acontecer alguma coisa que possa ter causado uma fratura, leve-o para o veterinário avaliá-lo.

No caso de fratura é bem comum que cirurgias sejam necessárias. Isso porque muitas vezes a recuperação de uma cirurgia é melhor e mais rápida que a solução de colocar uma tala na pata do cachorro por longos períodos.

Se a fratura for exposta (do tipo que rasga ou fura a pele), tome cuidado redobrado no caminho até o médico veterinário. Se esse tipo de ferida entrar em contato com sujeira pode infeccionar e causar consequências graves –desde amputação da pata até infecção generalizada. Tenha cuidado e leve o peludo rapidamente ao médico.


Se o seu hóspede passar por algum dos acontecimentos acima, saiba que ele possivelmente precisará de fisioterapia. Isso vai ajudá-lo muito a recuperar os movimentos.

Já na recuperação, é importante que você oriente os tutores a respeitar o tempo dele, mas não deixar de incentivá-lo a andar e mexer o corpinho bastante – depois, claro, que o período de repouso recomendado pelo médico tenha passado. A movimentação do cotidiano é boa para que ele continue em forma, facilitando a recuperação dos músculos próximos da lesão.

Como você pode ter visto, lesões nas patas é algo que parece simples, mas dependendo de como ocorreu pode se tornar algo delicado e até irreversível para o cãozinho hóspede. Por isso, todo cuidado é pouco: esteja sempre por perto para supervisioná-lo e, se perceber que ele não está bem, providencie atendimento veterinário o quanto antes! Clique aqui para saber como acionar a garantia veterinária.

FONTES: IBANEZ.NET E VETERINÁRIA DOGHERO INGRID STEIN.