leptospirose-em-cães

O que é?

A leptospirose em cães é uma zoonose – pode passar dos animais aos humanos – séria e que pode levar a óbito tanto cães quanto pessoas. Embora a maioria dos cachorros tenha imunidade para combater o problema, casos graves podem se tornar fatais.

Existem diversos tipos de leptospirose, com maior e menor gravidade. De acordo com o tipo, eles podem atingir diferentes órgãos do corpo do animal (rins ou fígado, por exemplo), e é o diagnóstico correto daquele que está afetando seu pet que define o melhor tratamento e a vacina adequada para prevenir uma nova infecção. Por outro lado, alguns tipos de leptospirose chegam a ser tão leves que passam despercebidos pelo tutor do cachorro.

Ficar longe de animais infectados é fundamental para a prevenção. O mesmo vale para o contato com fluidos desses animais, como urina ou vômito, ou locais que possam estar contaminados. Climas úmidos e quentes são propícios para a leptospirose canina se proliferar, porque ajudam a bactéria a sobreviver e estar presente na lama ou poças d’água – ela se espalha com as enchentes. Ou seja, atente-se para seu cachorro não nadar ou brincar nesses locais, nem beber esse conteúdo.

Sintomas

Os diversos sintomas da leptospirose em cães estão relacionados à variedade de tipos da doença. Existem casos em que o animal não vai ficar visivelmente doente, assim como há também os transtornos que podem se tornar bem agudos e infelizmente levar o cachorro à morte. O jeito é ficar alerta a todas as manifestações a seguir:

  • Febre
  • Vômito
  • Diarreia
  • Aumento da sede ou micção
  • Desidratação
  • Letargia ou fraqueza
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Tremores
  • Espasmos musculares
  • Dor ou rigidez nos músculos
  • Dificuldade em urinar
  • Icterícia
  • Sangue na urina, sangue nas fezes, no vômito ou na saliva
  • Dificuldade de respirar
  • Tosse
  • Hipotermia
  • Secreção ocular ou nasal
  • Edema
  • Abortos

Causas

Transmissão e causas da leptospirose em cães

A leptospirose em cães é causada pela bactéria leptospira, que pode entrar pelo organismo do animal através da pele ou ingestão. Essa bactéria é comumente encontrada em ambientes úmidos, pantanosos ou em água parada. Permitir que o seu cachorro beba essa água, mergulhe ou brinque nesses locais aumenta os riscos de contrair a doença.

Cachorros, gambás, ratos, guaxinins, entre outros, se tornam agentes transmissores da doença quando infectados. O animal saudável pode pegar leptospirose pelo contato com fluidos de cães ou outros animais contaminados (urina, vômito, etc) ou pelo contato com ambientes e objetos em que existam esses fluidos.

Cadelas grávidas requerem uma proteção ainda maior. Uma cachorra em gestação, ao ser infectada pela leptospirose, provavelmente vai sofrer um aborto devido à doença.

Tratamento e Prevenção

Diagnóstico e tratamento para a leptospirose em cães

Há três maneiras de diagnóstico da leptospirose em cães. A primeira é por uma amostra de sangue do animal para identificar se há a presença de anticorpos específicos que combatem a doença. Também é possível realizar em exame PCR, em que se busca detectar o DNA da bactéria causadora da leptospirose no sangue do cachorro. E, por fim, pode-se analisar amostras da urina com auxílio do microscópio.

Em todas elas, porém, um falso-negativo pode acontecer. É por isso que o diagnóstico da leptospirose é muitas vezes clínico, ou seja, feito em consultório pelo veterinário, que vai analisar os sintomas, histórico e outros aspectos relacionados ao animal. Outra forma de ter certeza do diagnóstico é realizar os três testes (sangue, PCR e urina) e combinar os resultados.

Uma vez que a leptospirose canina é certificada, o tratamento é iniciado de acordo com a gravidade do problema. Em geral, são ministrados antibióticos para tratar a infecção e monitorar a sua recuperação. Outras medidas podem ser requisitadas conforme as condições do seu cachorro. Por exemplo, se houver desidratação, além da medicação, o veterinário pode aplicar ainda fluidos intravenosos para ajudá-lo a se reestabelecer.

Como prevenir a leptospirose em cães

A leptospirose em cães é uma doença contagiosa e prejudicial inclusive para humanos. Portanto, investir na prevenção é a melhor forma de proteger o seu cachorro e toda a sua família. Confira:

– Contato: evite o contato com animais infectados e qualquer fluido deles (xixi, cocô, saliva, vômito etc), ambientes úmidos que sejam propícios para a proliferação da bactéria e água suja e contaminada.

– Higiene: Limpe e higienize bem a sua casa, elimine o lixo, restos de comida e tudo o que faça atrair ratos ou outros animais que possam estar doentes.

– Vacina: as vacinas V8 e V8 já previnem a leptospirose, mas existem vacinas específicas para alguns tipos de Leptospira (consulte o veterinário sobre a mais adequada para o seu cachorro!). Embora não sejam 100% eficazes (como todas as vacinas), cachorros imunizados possuem infecções mais leves ao contrair a leptospirose canina. Além disso, vacinar corretamente é ainda mais essencial se você vive em áreas de risco de alagamento, com condições sanitárias precárias, com acesso a açudes, fazendas ou também próximas de animais silvestres.

Gostou do artigo? Veja também dicas para dar remédio para o cachorro.

Gostou? Compartilhe!

Deixe o seu comentário