Escolher a coleira para cachorro ideal é quase tão importante quanto passear regularmente com ele – e olha que a hora do passeio é um dos momentos mais significativos ao lado do seu cão! Além de ajudá-lo a se exercitar e a gastar energia, você ainda constrói um vínculo cada vez mais forte entre vocês. Mas escolher a coleira para cachorro errada pode deixar seu animal desprotegido, machucá-lo e até mesmo contribuir para que ele se comporte de maneira errada durante o passeio.

Mas não existe apenas uma coleira para cachorro perfeita. Existem diversos tipos com vantagens e desvantagens e, portanto, a opção mais adequada para o seu pet, de acordo com as necessidades que ele tem. Para ajudar mães e pais de cães a não errarem na escolha, preparamos um guia com os principais tipos de coleiras. Olha só!

Como encontrar a coleira para cachorro ideal

Hoje em dia, existem diversas opções de coleira para cachorro encontradas com facilidade no mercado. Do colar tradicional às guias educativas, o melhor a fazer é entender qual a necessidade específica do seu cão. Quem precisa de uma ajudinha extra para educar um peludo mais ansioso, que puxa muito durante a caminhada, tem à disposição a gentle leader (chamada de cabresto no Brasil) e até peitorais que têm a mesma função.

Existe, no entanto, um único ponto em comum a qualquer coleira para cachorro, e que não pode passar despercebido: a qualidade do material, seja o tecido da guia e do colar ou as travas e ganchos. As versões mais profissionais costumam ser produzidas com materiais bem parecidos com o usado em cintos de segurança ou com tecidos próprios e mais resistentes.

É possível encontrar ainda peças feitas de nylon, com aplicação de elásticos e até aquelas inteiras de metal. Qualquer que seja o material de sua preferência, certifique-se apenas de que a coleira para cachorro é forte o suficiente para não correr riscos desnecessários. No caso das argolas de conexão e das travas, dê preferência às peças mais resistentes. Se o plástico parecer fraco, não arrisque. Não se esqueça ainda de conferir que o tamanho é o correto para o seu cão, assim não tem perigo dele escapar e fugir.

Principais tipos de coleira para cachorro

Depois de entender os principais pontos que deve levar em conta ao escolher uma coleira para cachorro, você deve estar se perguntando quais são os tipos disponíveis no mercado e qual é a mais adequada para cada caso. Vamos ver um pouco mais sobre cada uma delas.

Colar tradicional

Mais discreta e popular, possui milhares de opções em cores, estampas, materiais e tamanhos. Alguns modelos são fabricados com uma largura bem espessa e costumam ser usada em pescoços alongados, caso dos whippets e greyhounds. Esse colar é mais indicado para os cães que estão bem adaptados ao passeio. Se eles não puxam ou têm qualquer tipo de problema de obediência, como avançar em outros animais ou pessoas, ela pode ser uma opção segura e eficaz.

Coleira para cachorro colar tradicional

Colar tradicional Zee.Dog

Colar de obediência

Nesse modelo, a guia e o colar são uma coisa só. Isso significa que quando o cão puxa, a guia é tensionada, diminuindo o tamanho do colar, que aperta o pescoço. Para não sentir desconforto, ele passa a evitar aquele comportamento. Justamente por “enforcar”, o uso desse tipo de coleira para cachorro é bastante controverso entre especialistas em comportamento animal e adestradores.

Ela costuma, no entanto, ser a referência para grande parte dos treinadores, principalmente com cães de porte médio a gigante, porque facilita a correção. É importante, no entanto, que ela seja utilizada da maneira correta, do contrário pode machucar o animal. Existe um ponto certo do pescoço em que ela deve ser encaixada, do contrário pode ser que a musculatura do seu cão seja suficiente para “barrar” o enforcamento e ele continue te puxando do mesmo jeito.

Além disso, as chamadas fisgadas laterais precisam ter a força, precisão e firmeza adequadas. Como o colar vai estar numa região mais frágil do pescoço, se você errar na força pode, de fato, ferir o animal e até lesionar glândulas salivares que ficam na região. Evite as versões dentadas, que machucam.

Coleira para cachorro enforcador

Colar de obediência Zee.Dog

Antes de optar por esse tipo de coleira para cachorro, é importante passar por uma consulta com o veterinário. Alguns cães, principalmente os de micro e pequeno porte, podem ter uma condição chamada colapso traqueal. Nela, o espaço dentro da traqueia por onde o ar passa até chegar aos pulmões é reduzido. Os sintomas mais comuns são tosse e falta de ar. Nesses casos, o uso do enforcador é contraindicado, porque prejudica ainda mais a respiração.

Peitoral

Coleira mais utilizada nos cães de pequeno porte, o peitoral tem pontos positivos e negativos. Se por um lado ajuda a preservar a região do pescoço desses animais, que é mais delicada, a guia pode estimular que ele crie o hábito de puxar durante todo o passeio. Cães idosos e aqueles com dificuldade de locomoção, que precisam apenas da segurança e orientação do proprietário, podem se beneficiar muito dessa opção – independente do porte.

Coleira para cachorro peitoral

Peitoral Zee.Dog

Peitoral anti-puxão

Também chamado de peitoral easy walk, ele é bastante parecido com o modelo tradicional. Mas existe uma diferença fundamental: o gancho de encaixe da guia não fica nas costas, mas no peito. Assim, toda vez que ele tentar puxar, vai ser arrastado para o lado e acabar girando para dentro (na sua direção).

Essa correção não causa nenhum tipo de desconforto ou dor. Mesmo os cachorros mais persistentes acabam sendo vencidos pelo cansaço e pela frustração. É importante, no entanto, que as três faixas estejam bem ajustadas e sejam do tamanho correto. Esse modelo de coleira para cachorro pode ser encontrado inclusive para os de pequeno porte.

Coleira para cachorro anti-puxão

Peitoral anti-puxão Zee.Dog

Gentle leader (cabresto)

Essa coleira para cachorro costuma ser confundida com uma focinheira ou algum tipo de mordaça, porque tem uma tira na parte de cima do focinho, bem rente aos olhos. Se bem colocada, ela não machuca, não causa dor, nem estressa o animal. Muito pelo contrário, é uma das melhores opções para educar cães que puxam muito durante o passeio.

Alguns animais costumam relutar no início, por isso a adaptação precisa ser feita aos poucos, com bastante reforço positivo. Embora ela também seja vendida em tamanhos pequenos, é mais usada em cães de médio porte para cima. Como depende do encaixe na parte superior do focinho, ela não se adapta muito bem nos braquicefálicos (aqueles de focinho achatado, como pug e buldogue francês e inglês).

Gostou das dicas mas está sem tempo de passear com o peludo? Entenda como funciona e quanto custa um dog walker para fazer isso por você!