Alguns dos seus hóspedes podem já estar na fase senil. Confira algumas dicas da Anfitriã Mayara Bilachi para cuidar com segurança desses cãezinhos!

Ser um Anfitrião te dá a oportunidade de conviver com cachorros de diversas personalidades, hábitos e idade: dos pequenos aos grandões, tranquilos, agitados, ativos, preguiçosos, filhotes e, também, idosos.

Os cãezinhos vovôs também podem precisar de um lugar para ficar enquanto seus pais viajam. Além de seguir essas 8 dicas, o Anfitrião também deve se atentar para algumas outras questões. Por isso, conversamos com a Anfitriã Mayara Bilachi, auxiliar veterinária, e pegamos algumas dicas de hospedagem de cães idosos com ela. Confira!

• Pré-encontro

Se um cliente entrar em contato para hospedar o cãozinho dele com idade a partir de 8 ou 9 anos, é fundamental que você faça pré-encontro. O pré-encontro ajudará você a ver como é esse cãozinho, como ele se comporta e as condições físicas dele.

Além disso, é o momento ideal para você tirar todas as suas dúvidas sobre a saúde dele com o tutor. Lembre-se que, por ser um cãozinho idoso, ele pode ter alguma necessidade especial, uma doença já existente ou precisar de medicação periodicamente. Por isso, é super importante conhecer esse cachorro antes e se preparar para hospedá-lo!

shutterstock_407564617

• Rotina do pet

Todos os hóspedes possuem sua própria rotina, e com os idosos não é diferente. Você deve seguir exatamente a recomendação dos tutores com relação aos hábitos e costumes dele: alimentação, passeios, atividades, local de descanso e de fazer as necessidades.

Cachorros idosos tendem a ser mais apegados ao local onde moram e aos tutores e, por isso, podem ter ansiedade por separação.

“Como Anfitrião, nós devemos ajudar esses pets a se ambientarem à nossa casa, a entender os espaços e acalmá-lo por estar longe do tutor”, diz Mayara.

Lembre-se, também, de perguntar ao cliente se o cãozinho dele faz uso de algum tipo de medicação (oral ou injetável). Caso sim, você deverá dá-la ou aplicá-la seguindo rigorosamente as instruções do cliente.

• Supervisão 24h

Para hospedar um cãozinho idoso é super importante que você possa oferecer supervisão 24 horas. Alguns cachorros podem ter a visão, a audição e o olfato prejudicados pela idade, e isso pode dificultar a ambientação e a circulação deles pela sua casa.

Além disso, assim como filhotes, eles requerem o dobro de atenção pois podem já não ser tão ativos como antes e precisar de ajuda para se alimentar, por exemplo.

shutterstock_195186305-1

• Cuidados redobrados

Quando hospedar um cãozinho de idade avançada, seja cauteloso com escadas, sofás, camas e poltronas. Na hora de subir ou descer, eles podem sentir dor ou se machucar. Fique sempre atento para ajudá-los a se movimentar pela casa.

Evite deixar móveis e objetos pontiagudos ao alcance deles. Por não enxergarem tão bem, por exemplo, podem acabar batendo nos móveis e se machucar.

Cães idosos podem, ainda, ter maior dificuldade para se ambientar a um novo espaço e fazer as necessidades no lugar errado. Tenha isso em mente e seja paciente com seu hóspede! Ele não fará por mal, mas pode acabar fazendo sujeira onde não deve e você precisa estar ciente e compreender essa situação.

“Hospedar um cãozinho idoso requer, sim, mais atenção e disposição da nossa parte. É preciso ter paciência e sermos compreensivos com esse tipo de hóspede. Apesar disso, eu tenho dois cãezinhos idosos e já hospedei alguns, e posso garantir que os ‘vovôs’ são super amorosos e receptivos”, conta Mayara.

Basta se preparar e conhecer seu futuro hóspede que a estadia dele na sua casa será um sucesso! 😉

Fizemos também um Facebook Live com a Mayara sobre esse assunto. Confira todas as dicas que ela deu direto do escritório da DogHero:

Parte I: https://www.facebook.com/dogherobrasil/videos/1181661501910818/

Parte II: https://www.facebook.com/dogherobrasil/videos/1181688045241497/

Sobre Mayara Bilachi:

corpo

– Ela é Anfitriã DogHero desde abril de 2016, o perfil dela é o MayPet – Hospedagem com carinho;

– Mãe da Mel (11 anos) e do Óliver (9 anos);

– É auxiliar veterinária e possui experiência em primeiros socorros;

– Sua formação inicial foi na área do Direito, mas optou por trocar de profissão e se dedicar integralmente a cuidar de pets.