Alguns peludos adoram brincar com água e nadar, mas é preciso supervisioná-los para que esse momento seja só alegria!

Nesse calor, quem é que não gosta de relaxar e se refrescar numa piscina com água bem fresquinha? Cachorros também adoram, principalmente algumas raças como Golden Retriever, Labrador e Cocker Spaniel. É importante estar sempre por perto do cãozinho enquanto ele estiver próximo da piscina ou dentro dela. Assim você assegura que a aventura vai ser só diversão e também consegue fazer ótimos clicks da brincadeira!

O mais seguro e indicado é que o cãozinho consiga entrar e sair sozinho da piscina. Acreditam que já inventaram escadas e rampas especiais que resolvem esse problema? Esses equipamentos tornam a piscina acessível para cachorros (veja aqui). Enquanto essa novidade não chegar na sua casa, ao perceber que o cãozinho está cansado, você mesmo deve tirá-lo de dentro dela.

Dicas para um banho divertido:

  • Não jogue o cãozinho na piscina:

Além do risco de ele se machucar, jogar o cachorro na piscina pode causar um susto tão grande que pode deixá-lo traumatizado. Aqui vale a máxima: não faça com seu dog o que não gostaria que fizessem com você. Vá com calma 🙂 

  • Exposição ao sol:

Em dias muito quentes e ensolarados tome cuidado com o tempo em que o cãozinho ficará exposto ao sol dentro da piscina. Isso pode cansá-lo mais rapidamente, além de provocar queimaduras. Opte por horários em que o sol está mais ameno.

  • Evita alimentá-lo logo antes da brincadeira:

Não é recomendado que você deixe o pet entrar na piscina logo após a refeição dele. O dog pode passar mal e até ter uma congestão. O ideal é entrar na água cerca de 3 horas depois de comer.

  • Cansaço:

Se você perceber que o pet está cansando de nadar, ficou ofegante ou nadando mais lentamente, tire ele da piscina. O risco de se afogar por exaustão é real. Deixe ele se divertir uns minutos na água, depois dê uma pausa e, quando ele tiver recuperado o fôlego, volte com ele para a piscina.

  • Beber água da piscina:

Durante a brincadeira, seu hóspede pode ficar com sede e começar a beber a água da piscina. Como a água é tratada com cloro, não é bacana que ele tome (pelos mesmos motivos dos humanos). Caso aconteça de engolir, o cachorro pode vomitar ou ter diarreia. Se o quadro agravar, leve-o ao veterinário. 

Dicas:

  • Saúde:

Cachorros que não estiverem com a saúde em dia não devem entrar na piscina. É importante que eles não estejam com alguma verminose intestinal, doenças de pele ou qualquer outra complicação de saúde.

  • Banho após a piscina:

Depois que o cãozinho sair da piscina é fundamental que você dê banho nele com shampoo próprio para cães para tirar o cloro dos pelos. Após o banho, seque-o totalmente para evitar micoses e dermatites, principalmente entre as patas. Pode ser que entre água no ouvido do pet —  é importante secar bem as orelhas e observar se ele não apresentará incômodo no ouvido depois da brincadeira.

  • Protetor solar:

Atualmente existem protetores solar próprios para pets. Vale a pena passar nas orelhas e no focinho do cãozinho para que, durante a exposição ao sol dentro da piscina, ele não sofra com queimaduras.

  • Peitoral:

Para os cães que não são acostumados a entrar na piscina, uma dica é colocar uma peitoral (coleira de peito). Assim, se eles se cansarem, tiverem câimbras ou qualquer outro contratempo, você conseguirá puxá-los pela peitoral mais facilmente.  

  • Colete salva-vidas:

Outra opção para cães que não estão acostumados são os coletes próprios para eles. Funcionam exatamente como os coletes para humanos, fazendo com que os cães tenham contato com a água, mas permaneçam flutuando sem risco de afogamento. 

Raças que podem ter dificuldades para nadar:

Algumas raças, por suas características (braquicefálicos, patas curtas, tamanho da cabeça, pelos espessos) podem não conseguir nadar. São elas:

  • Basset hound;
  • Daschhund;
  • Shih-tzus;
  • Buldogues americanos, franceses e ingleses;
  • Pugs;
  • Bull Terrier;
  • American Staffordshire;
  • Pequinês.

E se eu não tiver piscina em casa?

Nesse calor, às vezes não ter uma piscina em casa faz falta para poder refrescar os pets, mas você pode improvisar e garantir a diversão dos seus bebês de duas maneiras:

1) Banho de mangueira

É só não deixar a potência da água muito forte que eles irão amar. A mangueira irá refrescá-los e, logo após a diversão, você já pode finalizá-la com um banho de shampoo ali mesmo!

2) Piscinas desmontáveis de plástico

As piscinas desmontáveis, além da vantagem de montar e desmontar de acordo com a necessidade e a época do ano, não consomem tanta água quanto uma piscina tradicional.

3) Bacias

Método super simples e econômico: compre uma bacia de tamanho grande, encha de água e deixe seus hóspedes aproveitarem e se refrescarem.

Essas dicas valem, também, para os cãezinhos da lista acima que podem apresentar dificuldades para nadar em piscinas convencionais, pois não oferecem nenhum risco e também refrescam bastante os pets.

Na galeria: hóspedes da Anfitriã Sherleidy Nascimento, de São Paulo, se refrescando com a dica a bacia com água.